terça-feira, 30 de junho de 2009

Azul de bolinhas brancas


Ontem fui caminhar na praia de botafogo. Fui devagarinho, pensando na morte da bezerra, tomando fôlego para começar a semana da minha vida de madame. No caminho lembrei que queria falar do filme que vi na tardinha de sábado de inverno e fiquei falando de pipocas e não falei do filme.

Na verdade o nome do filme era "Há quanto tempo que te amo". Era um filme francês daqueles que você se senta à mesa com os personagens e se sente um tanto à vontade, quase pedindo para alguém passar o sal.

Fiquei tão a vontade que fiquei reparando nos aventais dos personagens. Todos da casa participavam do trabalho doméstico, e cada avental era mais bonito que o outro. Alta costura francesa.
De repente no meio do filme, me lembrei de um aventalzinho que minha vó fez para mim quando eu era pequena, com 9 talvez, não mais que isso. Acho que vem dai minha paixão por bolinhas: O aventalzinho, na verdade era um vestidinho em tecido azul de bolinhas brancas. Era um modelinho moderno, transpassado e que tinha uma maneira toda especial de vestir. Amarrava a frente nas costas e as costas na frente. Vovó ficou contente de me fazer aquele vestidinho, e eu chorei quando o reencontrei no cinema. Chorei demais para aquele momento do filme, apesar de ser um dramalhão.


3 comentários:

tertulías disse...

que linda... isto é poesia!

Anderson disse...

É muito bom quando algo nos remete dessa forma a algum momento muito bom de nossa vida, seja uma imagem, uma música, um cheiro, ou um som que nos remete com muito gosto, nos fazendo até sentir a mesma coisa que estávamos sentindo na época.
Muito bom seu texto!
Bjos, excelente final de terça-feira pra vc!

Jôka P. disse...

Marcia, quem sabe você não aproveita esse pique de avental, forno e fogão e prepara uns bolinhos pra gente tomar com café ?!
Bjs !