terça-feira, 1 de setembro de 2009

Desculpe-me a demora




Ia eu contando como foi a tarde de sexta-feira. Tive que parar, fui para o sítio, voltei e só pude postar novamente hoje- como se pode perceber!
Na verdade, não sei se conisgo terminar o relato com aquele climinha de final de semana. Mas vamos lá:
Julinha, meninha, birrenta e mimada, de vestidinho roxo com capuz,tipinho mignon, inquieta que estava, começou a reclamar de frio. Na verdade algo incomodava Julinha além do friozinho gostoso do ar condicionado. A menina estava de pernas de fora, e magrinha como era, não tinha aquela camadinha de gordura, que nós, os gordinhos, odiamos, mas que nos aquece.
Julinha só parou de reclamar, fazer birra, dar ordens à sua avó, que tinha paciência de jó, quando sua torta de queijo chegou e sem morangos!
Ah! tá bom, vou confessar ela reclamou, mas só mais duas vezes: a massa da quiche estava dura( e estava mesmo) e ela tinha sede, mas que a água viesse sem bolinhas, que o tipinho mignon detestava.
Fiquei pensando porque a menina reclamava tanto e parecia um tanto séria e insatisfeita? Cheguei a conclusão, mas não sei se estou certa, que Julinha provocava a paciência da vovozinha em busca de limites. Alguém naquela família afinal, teria que ter coragem de dizer-lhe um não redondo. Julinha estava cercada de covardes que ao menor beicinho já morriam de medo e cediam. A menina ficava um tanto insegura, quem conseguiria protegê-la, se não a protegiam nem dela mesma?
De repente, compreendi todos os meus coleguinhas de infância mimados que eu tanto detestava. Coitadinhos eram mimados e não tinham quem os protegesse, eram inseguros.
Termino como comecei: Sempre detestei crianças mimadas. Não detesto mais. Márcia Lopes

Um comentário:

tertulías disse...

Márcia querida... achei esta análise sensacional... nossa... nunca teria pensado desta forma. voce fez todas as pecas do que-cabeca unirem-se. MARAVILHA!!!!! Obrigado e "Chapeau" para voce...