quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Ei você aí, me dá um dinheiro aí ,me dá um dinheiro aí.


Aqui pertinho de casa, tem um mendigo que nunca pediu dinheiro. Mendigo ou morador de rua? Existe uma definição? Não sei de nada, como já disse, mas desconfio muito. O mendigo, digo o morador de rua, mora aqui na rua desde que eu vim morar aqui, há 15 anos. Ou ele já morava antes? Eu o chamo, de Tatuagem.

Alto, magro, sempre de bermudas, nunca o vi usando camisa. Anda quase sempre descalço. Uma vez ou outra usa uma daquelas democráticas sandálias que não deveriam soltar as tiras. Tatuagem está sempre com um sorriso no rosto que, não pude deixar de notar, ao longo destes anos mudou muito. Quase não há mais dentes em seu sorriso.

Tatuagem me ajuda. Sempre que eu tive que atravessar minhas filhas, quando pequeninas, ele verificava se os carros tinham parado mesmo no sinal. Se eu preciso passar num lugar aqui pertinho, e que eu sei que é perigoso, pergunto. - Tatuagem posso ir? - tá liberado, pode ir. Responde, e nos segue com o olhar para ver se nem um pivete vai bulir comigo ou com as meninas.

Tatuagem nunca me pediu nada. Nosso relacionamento é de vizinhos: - Oi tudo bem?
- tchau. - Nossa que chuva a de ontem, hein? Vejo que ele gosta de conversar. Está sempre trocando um dedo de prosa com o guardador de carros e com o segurança aqui da rua. Tatuagem não assiste televisão. Sorte a dele. Assim não precisa assistir a total mendicância que virou a televisão brasileira.

Já pela manhã bem cedinho, acrditando talvez que deus ajuda a quem cedo madruga começam os pastores a pedir. Ultimamente ando obcecada por um pastor americano que pede nada menos que NOVECENTOS reais. O pastor é um velhinho de cabelos escandalosamente pintados de preto, com um rosto de biscoito "Trakinas". Será que alguém deposita os, repito, NOVECENTOS reais na conta do pastor traquinas?
Seguindo os pastores, seus pedidos e seus sermões, começam os jornais locais com pedidos de dinheiro e tudo o mais para as tragédias locais.
Os programas femininos tem um jeitinho todo especial de pedir o tutu, entre uma receita e outra, lá vai o número da conta.
A tarde a programação infantil pede descaradamente para que a criança enlouqueça seus pais pedindo para que les comprem " de um tudo" sem limites.
A noite os jornais "nacionais" pedem dinheiro para tragédias mundiais. Tsunamis, tufões e furacões.
Nos fins de semana, que a tv brasileira descansa e nos brinda com uma programação lamentável, vêm os shows, para pedidos de dinheiro. Pestalozzi, criança esperança, teleton etc e tal e infinito e além.
Isto sem contar com os pedidos do governo, que para poder manter a pobreza (seu eleitorado) aumenta os impostos, cria novos impostos e não repasssa nada.

Não reli, não corrigi, aceito sugestões.

2 comentários:

tertulías disse...

Boa postagem, enfezada, cheia de emocao... Gostei.

O medigo e o pastor:
Um anjo da rua e um salafrário da "igreja"... estes pastores e suas "patifarias". Haja!

Chica disse...

Vim conhecer teu blog e gostei,Cheguei através do blogggincana. um beijos e porque não abres SEGUIDORES,aí fica mais fácil te encontrar,o que achas? beijos,chica