quinta-feira, 3 de junho de 2010

Nenhuma gota de vinho

Era um filme francês. Um pedreiro casado apaixona-se por uma professora primária. Apaixona-se mas é um homem bom, não quer trair a mulher. Acontece que ele se vê consumido pela paixão, pensa nela o tempo todo, acorda às três da manhã e fica pensando nela.

Um dia ele sob ao apartamento dela, ela oferece uma cerveja (como no filme As Pontes de Madison) eles tomam a cerveja na garrafa mesmo e no quarto se amam.

Ele promete que não a deixará e ela responde não prometa aquilo que você não pode cumprir. Os dois combinam de fugir juntos e ele não aparece. Como nas Pontes de Madison, era amor por toda uma existência, com uma noite só de amor.

Achei engraçado de no filme não ter uma única gota de vinho!

Peguei do Antonio Ribeiro, que viu no Wine Espectator, que postou no Youtube

2 comentários:

Anônimo disse...

Quem sabe se com uma gota de vinho a história não teria sido diferente. Como disse o Kincaid ( o personagem, não o escritor) "existem coisas - oportunidades - que só acontecem uma vez na vida". Ha ocasiões em que a razão prevalece. Em outras a paixão domina. Em qualquer caso é preciso viver a opção feita, sem arrependimentos (e, às vezes, com resignação) até porque nunca se sabe como teria acabado a outra história, porque não foi vivida.
Marialva

Tertúlias... disse...

um bom vinho...

e aí, minha querida? resultados da entrevista?????? estou aqui torcendo tanto...