sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Simples assim

Sai correndo de casa, parei um táxi. O motorista rumou para um engarrafamento que levava o nada a lugar nenhum, e parado no meio do trânsito me disse: Não vou ter combustível para chegar onde a sra. quer.
Desci do táxi e peguei outro, que me levou ao meu destino. Um encontro com os amigos da oficina da crônica. O curso terminou na última quinta-feira, mas nossa vontade de estar juntos não.
A porta estava aberta, fui entrando. Sr L conversava com o Poeta de Paquetá.
Antes de cumprimentar o anfitrião não pude deixar de notar o bom gosto da mesa posta. Em frente a cada lugar tinha uma pastinha de cor diferente com o nome de quem se sentaria ali. A que tinha meu nome era cor de rosa!
Tímida que sou, e não pareço, logo me senti em casa.
Rodeada de quadros, não sabia para onde olhar. Ainda não conhecia a dona da casa ela chegaria mais tarde.
Os outros colegas foram chegando.
Curiosa, mal podia esperar para abrir a pastinha.
Poesias! Não fiquem com inveja que é feio!!!
Sra D. depois de ligar algumas vezes, conseguiu chegar em casa, apesar do dilúvio.
Sra D. é muito acolhedora. A vitalidade e a simpatia me encantaram.
De repente parei de ouvir o que falavam. Uma imensa alegria me invadiu.
Que casal incrível. Os dois são generosos, inteligentes, acolhedores. Quando crescer quero ser como eles!
Sr. L. nos guiou numa espécie de jogral. Onde cada um lia em voz alta uma parte do poema e todos liam em coro o final. Tímida que insisto em ser, nem conseguia ler direito. Mas ficava grata em poder participar, mesmo com o coração a galopes.
Não fosse isso tudo maravilhoso, Sra D. ainda nos brindou com um lanche delicioso, com tudo feito com carinho por ela mesma. Gulosa que sou comi bastante. Com destaque especial para o pão (Sr L. quem o fez) e para a truta defumada, que é dos meus pratos prediletos
Não sabia que tinha feito algo para merecer tamanha alegria.
O Poeta de Paquetá ainda leu algumas poesias onomatopaicas de sua autoria e nós demos boas risadas.
Combinamos novo encontro ( que eu mal posso esperar) e depois de muito vinho chamamos um táxi.
Se ainda não bastasse tanto acolhimento, Sr L. e Sra D. tiveram o bom gosto de nos levar a portaria. Que fofos.
O tempo todo tivemos a companhia de um menino, de 9 anos, filho da "noronha" e que é um encanto de menino.

3 comentários:

Tertúlias... disse...

Mas que tarde mais acolhedora e gostosa... Ah, eu quero os conhecer! Que lindas pessoas, hein?
Márcia, eu nao sabia desta timidez. Mas uma de suas qualidades que me fascina. Adoro os tímidos pois no fundo sou um também. Eu consigo as vezes "passar por cima", outras nao... tem até vezes que me transformo num ator e desempenho Mr. em timidez!!!! Ah querida, mal posso esperar para chegar setembro e ir aí... See you, in September... lembra da música? Beijo
Ricardo

Sandra disse...

Venho lhe agradecer, pelo seu imenso carinho. Amizade e ternura. Vc. que me acompanhou por um bom tempo. Se fazendo presente todas as manhãs, em todos os meus blogs.
Hoje só tenho é agradecer esse momento lindo da nossa amizade.
Que 2010, seja repleto de a alegrias, amor e saúde. Que no próximo ano, nossa amizade, continue tão bela, quanto agora.
Muito obrigada pelo seu imenso carinho
Sentirei saudades suas. Estou indo de Férias, e só retornarei em Janeiro. Passe lá e leve seus cartões.
Deixo um grande abraço. FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!
Com muito carinho
Sandra

Luigi Spreafico disse...

Ricardo
Venha passar um fim de semana aqui em Friburgo e nos conheceremos.
Luigi